Qual a função da Filosofia?

[…] a contribuição específica da Filosofia que se coloca ao serviço da liberdade, de todas as liberdades, é a de minar, pelas análises que ela opera e pelas ações que desencadeia, as instituições repressivas e simplificadoras: quer se trate da ciência, do ensino, da tradição, da pesquisa, da medicina, da família, da política, do fato carcerário, dos sistemas burocráticos, o que importa é fazer aparecer a máscara, deslocá-la, arrancá-la… (Châtelet, s.d., p. 309)

Cada disciplina acadêmica tem sua função bem estabelecida, a História reflete a experiência humana ao longo do tempo, Geografia analisa a influencia do homem no meio ambiente, enquanto que a Sociologia estuda a interação entre o individuo e o social. Entretanto, qual seria a função da filosofia? E por que ensiná-la no ensino médio?

Ao incluir novamente a filosofia no ensino médio pouco se pensou sobre qual o objetivo desta matéria no currículo escolar, neste sentido diversos professores lograram transformar suas aulas na simples transmissão da biografia e das reflexões de diversos pensadores, esquecendo que o pensar filosófico vai muito além da simples transmissão de conhecimento.

Em seu texto, o filosofo Châtelet parece atribuir duas funções principais para a inclusão da filosofia no ensino médio:

Em nosso cotidiano somos constantemente “bombardeados” pela ideologia dominante que tentam impor determinada visão de mundo para a população; influências estas oriundas de diversas fontes como: religião, ciência, mídia, educação, tradição entre outras… Cabe ao filósofo a tarefa de auxiliar o educando a perceber e problematizar a imposição desta realidade, analisando o quanto de suas atitudes e conceitos são impostas pelo senso comum sem a devida analise.

Além disso, desde os tempos socráticos o filosofo não se contenta em apenas denunciar os problemas analisados, mas assume um papel mais pratico tentando alterar a realidade; sendo esta a segunda função da filosofia proposta por Châtelet: conhecer a realidade para transformá-la. Garantir os recursos necessários para o individuo alterar sua condição e galgar sua autonomia, sua liberdade!

Com esta proposta Châtelet nos propõe uma importante reflexão sobre como deveria ser uma aula de filosofia no ensino médio: um espaço plural para analise e, quiçá, mudança da realidade imposta; onde o conhecimento das obras dos filósofos serve muito mais para induzir o educando à prática do pensar filosófico do que à decoreba das máximas destes pensadores.

Por Luiz Claudio Gonçalves

Que deixou de tomar um chopinho com Sócrates para evitar o cicuta!!!!

Comentários

  1. Responder

  2. Responder

  3. Responder

  4. Responder

  5. Responder

  6. Responder

  7. Responder

  8. Responder

  9. Responder

  10. Responder

  11. Responder

  12. Responder

  13. Responder

  14. Responder

  15. Responder

  16. Responder

  17. Responder

  18. Responder

  19. Responder

  20. Responder

  21. Responder

  22. Responder

  23. Responder

  24. Responder

  25. Responder

  26. Por click now

    Responder

  27. Responder

  28. Responder

  29. Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>